terça-feira, 10 de julho de 2007

COMO REPERCUTIU O ANÚNCIO DE YEDA CRUSIUS

Mirante - 10.07.07
Denúncia na CPI
A deputada Marisa Formolo (PT) sacudiu a sessão de ontem da CPI dos Pedágios ao fazer uma denúncia que pode mudar o rumo das investigações da comissão. A petista apresentou um documento que provaria que o grupo paulista Equipav-Bertin comprou o Consórcio Univias porque teria a garantia de que a governadora Yeda Crusius prorrogaria as concessões rodoviárias. O superintendente-jurídico da AGCR, Paulo Oiama, que prestava depoimento naquele momento, silenciou sobre o assunto. Ontem à noite, a coluna conversou com o secretário Daniel Andrade. Ele contestou a denúncia feita por Marisa: - Isso é uma tese absurda. Não existe qualquer prorrogação de contrato em andamento. Só existe um debate sobre isso.
Os prós...
Por mais que os fechamentos de desvios de pedágio na região sejam motivo de justas reclamações, é preciso destacar que a negociação do Palácio Piratini com a Convias prevê um bom desconto na praça da RS-122 para usuários de Farroupilha e Caxias. A isenção de 50% da tarifa reduzirá bastante os gastos de empresas e do cidadão comum com o pedágio. As três obras previstas para serem realizadas também são de vital importância para evitar acidentes e melhorar o fluxo de veículos nas estradas da Serra.
...e contras
É difícil imaginar que a Convias topasse realizar obras sem qualquer contrapartida do Estado - como o fim dos desvios, por exemplo. No entanto, é equivocada a decisão do governo Yeda de não estender o desconto de 50% a usuários de Caxias que moram em Vila Cristina. A partir da mudança da praça de pedágio da localidade, os moradores de Vila Cristina terão de pagar R$ 5,30 para se locomover dentro de Caxias do Sul. Aliás, o governo estadual deveria ter feito um acordo para garantir desconto de 100% aos usuários que moram em Vila Cristina. Ou o Piratini inclui uma alternativa no acordo para mudar essa situação ou virão protestos de caxienses. Isso é questão de tempo.
Ainda dá tempo
Apesar da promessa de obras, fim dos desvios de pedágios e descontos de 50% na praça da RS-122, o pacote anunciado pela governadora Yeda Crusius (PSDB) só será oficializado no dia 18, em uma coletiva em Porto Alegre. Até lá, ainda dá tempo de o governo estadual repensar algumas ações antecipadas ontem na CIC de Caxias.
Bingo!
Mesmo que tenha causado muito impacto o anúncio da governadora Yeda ontem em Caxias, não dá para dizer que não houve avisos sobre a realização de obras importantes em Caxias em troca do fechamento de rotas de fuga. Em 24 de janeiro deste ano, o diretor-presidente do Consórcio Univias, Marcos Picarelli, já havia adiantado ao Mirante que três obras estavam sendo negociadas com o governo estadual, sob a condição de que houvesse alguma compensação às concessionárias. As três obras citadas naquela ocasião por Picarelli são exatamente as três anunciadas ontem pela governadora Yeda.
Outros avisos
Em 24 de janeiro, ao ser questionado pelo Mirante sobre os desvios de pedágio, Marcos Picarelli afirmou: - É uma questão que não dá para ser admitida. No domingo, ao falar com a coluna outra vez, Picarelli disse que a Convias precisava ser remunerada de alguma forma pela realização das obras.
***
Em tempo: em março deste ano, o secretário Daniel Andrade sinalizou à coluna que o fim dos desvios de pedágio poderia ser negociado com as concessionárias em troca de obras.
Má repercussão
O anúncio feito por Yeda em Caxias repercutiu na Assembléia, durante a sessão da CPI dos Pedágios. Os deputados Gilmar Sossella (PDT), Francisco Appio (PP), Marisa Formolo (PT), Alvaro Boessio (PMDB) se disseram assustados com as intenções do Piratini e sustentaram que a declaração é uma tentativa de esvaziar a comissão. - Essa decisão vai contra as deliberações de toda a região, tomadas no Corede-Serra. Na assembléia-geral de 2005, a população se posicionou contrária à prorrogação, à troca de praças e ao fechamento de rotas de fuga. Surpreende a decisão encaminhada pela governadora sem discutir com a sociedade - afirmou o secretário-executivo do Corede-Serra, José Antônio Adamoli (PSDB), que acompanhava a sessão da CPI.
Ditadura
Coordenador da Frente Gáucha dos Vereadores contra a Prorrogação dos Contratos dos Pedágios, Edio Elói Frizzo (PPS) reagiu mal à notícia do fechamento dos dos desvios de pedágio na região, anunciada pela governadora Yeda ontem na CIC:- A governadora estabelecerá a ditadura das cancelas. Vai haver uma guerra se isso acontecer. Amanhã, em Porto Alegre, vereadores, prefeitos e lideranças sindicais promovem uma marcha contra a prorrogação e pretendem entregar uma carta à governadora.

Um comentário:

Daniel disse...

Segue mais uma repercussão:

Obra terminaria com desvio de pedágio em Caxias
http://www.agenciachasque.com.br/boletinsaudio2.php?idtitulo=9f021ebdee6ccb4169f29f777fa623a8